4 de agosto de 2011

Respire fundo.


Como preciso comer e dormir, também necessito escrever. Se eu ficar sem comer, morro. Mas quando não escrevo nada, é como se um grande vazio se formasse dentro de mim, e nada pudesse tapá-lo. Sinto minha mente embaraçando, o mundo caindo sobre meus ombros. Nada parece fazer sentindo - e mesmo que tente, não consigo. Então caio na escuridão da inconsciência espiritual. É pior que qualquer dor ou agonia que seu corpo pode sentir. É como se o mundo estivesse sobrecarregado em um só coração. Preso, torturado, desesperado. Então escrevo, falo abstratamente o que sinto. Algumas vezes, em códigos, sinais, palavras-chaves; outras eu apenas escrevo tudo de uma vez, sem dar reviravoltas ou poupar palavras. No final, nada importou. Sei que tudo passa. Sei que tudo é só uma fase ruim. Então respiro fundo e continuo.

Um comentário:

Anna Chagas disse...

Desculpa por, basicamente, ter abandonado o blog. Estava oucupada, frustrada, e não via que tinha que descarregar isso tudo em um papel - ou em um teclado. Por sorte, quando vi, não era tarde demais. Prometo que não faço isso de novo.